COISAS DE PAIS

COISAS DE PAIS
AFONSO (12), TITÃO (10), DUDU (7), NONÔ (7)

sexta-feira, setembro 30, 2016

Coisas de 7 filhos

Foi só por uma noite, mas parecíamos a família Von Trapp (com mais confusão... e sem cantoria!).

1 de 13
1 de 12
1 de 11
1 de 10
1 de 8
2 de 7

A casa ficou em polvorosa, mas não foi preciso apito... Filhos e sobrinhos estão a ficar crescidos, e é uma saborosa aventura tê-los todos cá em casa (Bem, todos, todos, não ia ser fácil... 4 + 3 + 5... é fazer as contas!)

Coisas de Filhote com 11 anos


O meu Titaneco já tem 11 anos. Como é que isto aconteceu?! Como é que passou tão rápido? Quando este blogue nasceu ele era um bebé... Um bebé doce e bonacheirão, percentil 95, com umas bochechas que só apetecia trincar.

Continua um menino muito alegre, sempre de bem com a vida e amigo do seu amigo, que me tem ensinado todos os dias que a vida não precisa de ser vivida com stress, sempre a correr e a complicar o que pode ser simples.
Veio parar a uma família frenética, é certo, mas estou em crer que não foi por acaso...

Um beijinho grande, meu "docinho de coco" (esta eu sei que vais odiar!)

Amo-te todos os dias... e não penses que é por estares crescido e já não teres bochechas gorduchas que te livras dos meus beijinhos repenicados!

quinta-feira, setembro 29, 2016

Coisas de Tenho Cadilhos

Nasceu mais um blogue de aventuras para pais, professores e educadores em geral, do ator (imperdível!) e meu colega de faculdade, Sérgio Paulo.
Começa logo com a história de uma garrafa lançada ao mar que chega a Alzejur 5 anos depois, e o que daí sucede... e termina com a minha "A Garrafa Mágica" (D.Quixote-Leya), uma sugestão para os mais novos sobre a sustentabilidade dos mares e a proteção das espécies que neles habitam.

Obrigada, Sérgio! Se já estava devidamente "cadilhada", agora estou rendida a este teu espaço de partilha, que eu espero que reúna muita gente e permita muita reflexão e diálogo.

http://tenhocadilhos.blogspot.pt/2016/09/httpbeachcam.html

Coisas de Dúvidas sobre Sexualidade

Os pais podem tentar convencer-se de que os filhos lhes contam tudo.
Que não têm dúvidas.
Ou que não vão à internet perguntar aquilo que não sabem.
Os pais podem fechar os olhos à realidade, mas a realidade é a realidade. A sexualidade faz parte de nós e os jovens têm dúvidas, que muitas vezes não esclarecem ou "esclarecem" da maneira errada.

A minha amiga e sexóloga Vânia Beliz estará todos os dias no WhatsApp a falar com os jovens que lhe quiserem colocar questões. A confidencialidade e anonimato estão garantidos. Como quem não quer a coisa, sugiro-vos a espalharem a palavra pelos jovens que conhecerem. Pelo que conheço da Vânia, pode vir a fazer a diferença na vida de muitos jovens...

Mais informações AQUI!

terça-feira, setembro 27, 2016

Coisas de Manual Escolar

Já tinha dois textos em manuais escolares do Brasil, surgiu agora o primeiro convite em Portugal.
O meu obrigada à Livro Directo pelo desafio. Continuarei a acreditar que as palavras podem mudar o mundo - a começar pelo mundo que existe em nós.
Ainda vamos em setembro, mas nunca é cedo (como nunca é tarde) para nos comprometermos por um mundo melhor...

segunda-feira, setembro 26, 2016

Coisas de Dudu, o filósofo (já tinha saudades!)

(Dudu) Ó mãe... tu acreditas em ti?

(Mãe) Naquilo que eu consigo, filho?

(Dudu) Naquilo que tu és. Acreditas, ou achas que isto é um sonho?

(Mãe) Não sei, filho. Mas se for um sonho, é um sonho bom.

(Dudu) Eu espero que isto seja a realidade. Também acho que é bom. Mas também gostava de conhecer outras realidades...


7 anos de interrogações. Mas enquanto for bom, é de aproveitar...

quinta-feira, setembro 22, 2016

Coisas de Por Uma Escola Diferente

"Há grupos de miúdos para quem a escola não diz nada."
"Currículos extensíssimos".
"Professores exaustos".
"Falta de tempo para aprofundar e debater".
"Um modelo de ensino do século XVIII".

A reportagem "Que escola temos? Que escolas queremos?", que passou hoje na SIC (AQUI), conseguiu tocar na ferida. A escola tem de mudar, e todos nós, professores, pais e alunos, temos o dever de dar o nosso contributo.

Eu e a Rute Moreira (que procurámos, com a restante equipa, gerar este debate através da série "Massa Fresca") resolvemos escrever os nossos Manifestos Por uma Escola Diferente, e criámos um espaço onde gostávamos de acolher os vossos. As vossas experiências. As vossas soluções. Vamos a isto?

http://porumaescoladiferente.blogspot.pt/
porumaescoladiferente@gmail.com

Coisas de Compreender, para Mudar

A história de ontem à noite era sobre os roazes do Sado, golfinhos meigos e inteligentes, que deixaram os meus filhos encantados. Maravilharam-se com a sua forma de comunicar, com a sua forma de saltar, com a sua ligação aos humanos, e com a sua vivência em família.

(Dudu) Eu acho que gostava de viver no mar...

(Mãe) O mais perto que vocês estiveram disso foi quando nadavam dentro da barriga da mãe. Aqui vocês viviam dentro de um líquido, onde tinham tudo o que precisavam. Só não devia ser tão bonito.

(Nonô) Eu e o Dudu nadávamos juntos?

(Mãe) Não, cada um tinha o seu pequeno mar, dentro de umas bolsas, mas conseguiam tocar-se. Aliás, quando vocês estavam mais crescidos, a Nonô estava sempre a dar-te pontapés, Dudu.

(Dudu) Nonô!!!!

(Mãe) Era sem querer, filho, mas ela tinha os pés voltados para a tua barriga, e sempre que esticava as pernas, dava-te um pontapé. O médico até dizia, na altura, que quando vocês nascessem, tu ias vingar-te da tua irmã.

Silêncio.

(Nonô) Isso explica muita coisa, mamã...

(Dudu) Estavas a pedi-las, Nonô.

(Mãe) Mas agora já chega, não achas, filho? A Nonô já pagou por todos os pontapés que te deu. Podiam começar do zero, e serem mais amigos, sem vinganças...

Riram um para o outro, com uma cumplicidade que nem sempre lhes vislumbro e foram deitar-se mais amigos do que nunca. Não sei quanto tempo esta paz vai durar. Mas fiquei com mais uma prova de que escavar bem fundo e encarar aquilo que deixámos para trás, ajuda realmente a entender onde estamos agora e porquê. E isso faz toda a diferença na hora de definir o caminho a tomar...

Coisas de Diário da Massa Fresca

E aqui está ele, fresquinho e airoso, a suplicar por umas mãos pequeninas e ternurentas que o agarrem, o saboreiem e o encham das suas próprias aventuras. Melhores ou piores do que as da Massa Fresca, mais intensas ou mais monótonas, não interessa. O que interessa é que sejam vividas em pleno, com verdade e confiança, aprendendo com os fracassos e celebrando as vitórias.

Coisas de Grande Reportagem sobre o Ensino

A Grande Reportagem da SIC acompanhou uma turma de 9º ano durante um ano inteiro e o resultado é emitido hoje, no Jornal da Noite.
A promo é já bem reveladora do que aí vem: "Não gosto como a escola me limita, em termos de aprendizagem", "Há grupos de miúdos a quem a escola já não diz nada", "Temos hoje um modelo de ensino bem próximo do modelo do século XVIII".
Que escola temos? E que escola queremos, afinal?

http://sicnoticias.sapo.pt/programas/reportagemsic/2016-09-18-Que-escola-temos--Que-escola-queremos-

Da minha parte, resolvi escrever um manifesto que podem encontrar AQUI. A página do Movimento Mocho está prestes a ganhar forma, e desafio todos aqueles que refletem sobre estes temas a escreverem também o seu manifesto e a enviarem-no para movimentomocho@gmail.com.

Vamos a isto!

terça-feira, setembro 20, 2016

Coisas de Escola (só) para génios

Os meus filhos gémeos precisam de ler mais rápido. De interpretar melhor. De escrever mais. De melhorar o raciocínio lógico. O vocabulário. A cultura geral. O tempo de concentração.

- Socorrrrrrooooo!

Supliquei por ajuda ao pai. São dois. Mais os outros dois. O nosso trabalho. A casa, as roupas, as comidas. E a escola a entrar-nos pela casa adentro, pedindo-nos que apoiemos mais e mais e mais os nossos filhos. Mais???

- Os nossos filhos têm um problema, é isso?!

O pai abriu um manual de Português do 1º ano (eles estão no 2º) e pediu ao Dudu que lesse um texto e respondesse às perguntas. Era sobre os dinossáurios e falava de paleontólogos, fósseis, ovos a eclodir, animais carnívoros e herbívoros.

- Ó pai... mas eu não estou a perceber nada disto!

A mãe leva a mão à cabeça! Que má mãe esta, que costuma ler-lhes histórias de encantar, em vez da Enciclopédia Larousse! Que filho este, que não consegue ainda ler x palavras por segundo e interpretar textos sobre temas tão "banais".

- Ó pai... o que é "eclodir"?!

Já furiosa, fui buscar um livro do primeiro ano do tempo dos meus filhos mais novos. Lembrava-me de os ajudar nas suas dificuldades, sim. Nunca me lembro de achar que eles tinham um problema. Que eles não conseguiriam acompanhar. Que estavam a perder o comboio.
Deparei-me então com isto:


Respirei fundo. O problema não era dos meu filhos mais novos. Ou, pelo menos, não seria um problema assim tão grave, se os mais velhos, com a idade deles, ainda liam textos de "caracacá" e ainda cá estão, com boas notas, para contar a história... O problema é de um ensino que se torna mais e mais exigente de ano para ano, sem qualquer respeito pelos ritmos próprios de aprendizagem das crianças, os tempos para brincar, para consolidar, para criar, e para estar com os pais, sem ter sempre de permeio um manual ou dois com exercícios que tornam a vida das famílias insuportável.

E quem ensina aos meus filhos o Amor? A Paz? O Respeito? A União? O Diálogo? Quando o tempo que eles passam comigo é a mandá-los trabalhar, concentrarem-se, lerem outra vez, sentarem-se e calarem-se.

Qualquer dia (e vou deixar escrito, para soar a promessa) apanho-os à tarde na escola, com o carro cheio de malas, e vamos todos correr o mundo. Aprender com a vida. Usufruir do melhor que ela tem para nos dar. Estarmos vivos, estarmos juntos, sermos felizes.

segunda-feira, setembro 19, 2016

Coisas de Afonso, o chico-esperto

(Mãe) E então, filho? Como é que correram as aulas?

(Afonso) Bem... dentro do género. Já comecei a pôr o meu plano em marcha.

(Mãe) Plano?

(Afonso) Tentar ser o aluno preferido da maioria dos professores. Eu sei que as raparigas têm muito mais hipóteses, mas eu estou a tentar combater esse preconceito.

(Mãe) E o que é que estás a pensar fazer, se não é indiscrição?

(Afonso) Hoje falei à professora de Ciências na Pneumoultramicroscopicossilicovulcanoconiose, a doença dos pulmões causada pela cinza dos vulcões.

(Mãe) E foste bem sucedido?

(Afonso) Ainda é muito cedo para falar. Mas estar na escola também é isto, mãe. Não é só entender as matérias. Também temos de estudar os professores.

(Mãe) Estás-me a sair cá um chico-esperto...

(Afonso) Não sei porque é que estás a usar esse tom pejorativo, mãe. Ser chico-esperto é uma das minhas maiores qualidades.


Eu desisto!